terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Eu não "praxo" nada disto...






Eu sei que morreram pessoas, mas também sei que um não na altura certa resolve tudo...





Fui praxada por uma tarde, não gostei não fui mais, disse não, um não que só do meu gosto pessoal dependeu, não gostei, não quis, não fui.
Não sofri consequências, não fiquei sozinha, não fui posta de parte, não nada. Foi uma escolha, foi aceite, foi ultrapassada.
Entrar na faculdade, a não ser que estejamos a falar de um sobredotado, implica ser maior de idade, implica um desenvolvimento mental, avançado o suficiente que permita fazer escolhas e saber dizer não.
Por isso mesmo, e depois de ter passado os dias a ver linhas e linhas escritas a favor e contra a praxe, pergunto, não vivemos num País democrático? O cidadão não deve depender de si para distinguir entre o certo e o errado, apoiado na formação e nos limites morais e éticos? Então porquê gastar tanto tempo com um assunto que deve ser resolvido por cada um de nós? Escolham o que escolherem, divirtam-se, sejam responsáveis e vivam, o resto é treta!

2 comentários: