sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Sexy or Not?!





Oh bolas...
Estou feita, quando sou sexy como uma pedra e vivemos num tempo, em que o sexy roça claramente o vulgar, o que fazer às cuecas da avozinha?





Deixaram-me a pensar na necessidade de conseguir arrecadar os louros de sexy, agarrando-nos a imagens "hollywoodescas".
O que é sexy?
De certo, a minha irmã de 12 anos sabe mais do que eu, sobre os apetrechos necessários para conquistar o título, quando a geração dela é bem mais letrada em "Seducão 101" do que nós crianças dos 80, que dedicámos a nossa infância a coisas tão parvas como saltar a corda, brincar na rua, passar férias com os avós, fazer bolos de lama e muitas vezes comê-los, dormir 8 horas e principalmente começar frase com "Quando eu for grande...".
Fugir ao óbvio é essencial, quando a lycra povoa os ecrãs de televisão, a vulgaridade é regra e o ir directo ao assunto passou a ser prioridade, ser diferente e saber o nosso valor, torna-nos em seres estranhos.
Mas por outro lado, quando encontramos alguém que claramente nos enche as medidas, o que é sexy? Divides cama, comida, assumes a tuas cuecas de avó, deixas de pensar que o Mundo acaba naquela cratera lunar que tens no rabo, ris, choras, como podes ser sexy depois? Ou a concepção de sexy muda?
Falaram-me em companheirismo como se me apontassem uma arma, companheirismo em substituição do fugaz sexy, do companheirismo que ultrapassa os piores dias de cabelo e aquele pijama de flanela com a cabeça da Rena Rudolfo.
Falaram-me em companheirismo como se, tivesse deslocada do que realmente importa, mas é por amar alguém que podemos deixar de cuidar de nós, de nos sentir bem na nossa pele? Nem pensar! Nós continuamos a ser mulheres, a precisar de nos sentirmos perfeitas e confiantes.
Estou em curto-circuito com este assunto, admito, tragam-me o equilíbrio e eu sou feliz, e vocês o que pensam sobre isto?






1 comentário:

  1. Bom! Isto dava para tese de mestrado mas tentarei ser breve!

    Numa relação, há lugar para tudo. Há lugar para dormir com um pijama Às bolinhas e meias de lã e há lugar para fazer amor envergando um cinto de ligas. Há espaço para saber que o nosso homem está no wc e há espaço para o ver bem vestido e cheiroso para nós. Espaço para as cuecas da avó? Só se já as usávamos antes, cruzes credo!!! Não é porque namoramos que podemos ficar confortáveis, gordas, flácidas, despenteadas. Não é por namorarmos que podemos deixar de vestir um vestido sexy para ir jantar com ele, tal como não podemos aceitar que o nosso gato ganhe barriga e se desleixe. Ainda assim, vai uma grande distância entre o sexy e o vulgar e este sim é o maior problema das miúdas de agora, que pensam que umas "cuecas de ganga" são mais sedutoras que uma saia travada e uma camisola de gola alta bem justa. Mudam-se os tempos...

    ResponderEliminar